Pular para o conteúdo principal

ATORES FALECIDOS TIVERAM FILMES REPRISADOS NA TV APÓS TRAGÉDIAS

PAUL WALKER, PHILIP SEYMOUR HOFFMAN E HAROLD RAMIS - Atores falecidos que tiveram filmes reprisados na televisão.

Uma crítica deve ser feita à indústria televisiva mundial que não deu o devido apoio à Brittany Murphy depois que ela faleceu, em dezembro de 2009. A talentosa atriz, definida por muitos de seus colegas como brilhante e espontânea, limitou-se a ser vítima de notícias sensacionalistas, não raro de muito mau gosto.

Em muitos casos os noticiários distorciam as coisas, transformando o casamento infeliz de Brittany com Simon Monjack em um misto de "conto de fadas" com "Romeu e Julieta", quando o produtor inglês, segundo informações pouco divulgadas, havia traído a atriz ao manter contato com duas ex-namoradas, sem o conhecimento de sua então esposa.

Na maior parte, porém, as notícias especulavam sobre se Brittany usava drogas ou não - ela afirmava que nunca usou, apenas tomava medicamentos acima da dose (infelizmente, a indústria farmacêutica estimula tais vícios, porque rende mais dinheiro) - , que remédios ela tomou, se ela foi assassinada, se ela foi vítima de algum maníaco ou grupo de mafiosos etc etc etc.

Nem mesmo a personalidade alegre de Brittany era levada em conta. Reinou um baixo astral geral. E pouquíssimos filmes vieram à tona para homenagear essa fantástica atriz, e até agora, quase cinco anos depois daquele melancólico 20 de dezembro, poucos filmes com Brittany Murphy estão sendo reprisados.

Enquanto isso, outros atores recebem, até com admirável, justo e digno mérito, homenagens em razão de seus óbitos. Paul Walker teve não só seus filmes da franquia Velozes e Furiosos (Fast and Furious) reprisada, como outros filmes em que ele participou.

Da mesma maneira, Philip Seymour Hoffman também está tendo filmes reprisados com alguma frequência na TV paga. E até o pouco conhecido Harold Ramis, de Os Caça-Fantasmas (Ghostbusters), tem seu trabalho de ator e cineasta razoavelmente divulgado, sobretudo o hilário e reflexivo Feitiço do Tempo (Groundhog Day), de 1993.

Esses atores dão um exemplo do que é homenagear gente falecida. É hora de Brittany deixar de ser refém de sua própria tragédia e ser relembrada pelo seu grande talento expresso na sua breve, mas produtiva, experiência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FILHA DE MÁRCIA CABRITA NÃO TEVE A SORTE DE BRITTANY MURPHY

Ontem, 10 de novembro de 2017, mesmo dia do aniversário de 40 anos de nascimento de Brittany Murphy, a atriz brasileira Márcia Cabrita, também famosa por papéis cômicos, faleceu, perdendo a batalha contra um câncer no ovário, doença diagnosticada em 2010 (a essas alturas Britt já era falecida).

Com o falecimento de Márcia, sua filha Manuela Parente, não teve a sorte de Brittany, pois a adolescente brasileira acabou perdendo a mãe, ameaça da qual a atriz estadunidense foi poupada. Sabe-se que, entre 1990 e 1992, Sharon Murphy sofreu câncer de mama, com alto risco de falecimento, mas sobreviveu.

A exemplo de Sharon, Márcia Cabrita estava solteira, embora seu divórcio com o psicanalista Ricardo Parente tinha sido bastante amigável. Márcia e Ricardo foram casados entre 2000 e 2004, e continuaram amigos desde então. Ricardo compareceu ao velório da ex-mulher, hoje de manhã, em Niterói, terra natal da atriz, famosa por produções como o seriado Sai de Baixo e sua última novela, Novo Mundo, …

TERMO "PATRICINHA" TEVE ORIGEM EM SOCIALITE BRASILEIRA

O termo "patricinha", que os fãs de Brittany Murphy conhecem pela denominação brasileira dada ao filme de título "seco", Clueless (traduzido do inglês, "sem pistas"), que virou As Patricinhas de Beverly Hills, teve sua origem revelada.

A expressão corresponde ao tipo de garota bem nascida, consumista, fanática por moda, de comportamento ingênuo e intelectualmente duvidoso. Algo como uma jovem dondoca, muitas vezes muito bonita, mas inacessível pelo seu tipo aristocrático.

A revelação se deu no livro Enquanto Houver Champanhe, Há Esperança, que o jornalista Joaquim Ferreira dos Santos, famoso por seus livros memorialistas, como 1958 - O Ano Que Não Devia Terminar (1997), dedica à biografia do colunista social Zózimo Barroso do Amaral.

O termo surgiu da socialite Patrícia Leal, trineta do conde Modesto Leal, que havia sido um dos homens mais ricos do período da República Velha (1889-1930). Patrícia se destacou nas colunas sociais da década de 1990 e, ex-na…

CAROL CASTRO POSSUI A MESMA ASSIMETRIA NOS OLHOS QUE TEVE BRITTANY MURPHY

A atriz brasileira Carol Castro possui uma caraterística comum no seu rosto que também teve a nossa querida Brittany Murphy.

É o tipo de assimetria na posição dos olhos, um aspecto que, em tese, parece estranho no rosto de uma pessoa, mas nos dois casos em nada estragou na beleza, muito pelo contrário.

Nota-se que na parte esquerda do rosto o olho se posiciona um pouco abaixo do nível do olho no lado direito. Isso vale tanto no caso de Carol quanto foi o caso de Brittany.

A propósito, Carol Castro faz par romântico com o ator e cineasta Márcio Garcia, que a dirigiu no filme Angie (Open Road). Márcio também é diretor do filme Amor Por Acaso (Bed and Breakfast), estrelado por Juliana Paes, que, embora não tenha essa assimetria, tem um rosto levemente parecido com o de Carol.

Amor por Acaso tem no elenco o mesmo Dean Cain que contracenou com Brittany no filme Busca Alucinante (Abandoned), e no elenco brasileiro deste filme de Márcio Garcia tem também a atriz Débora Lamm, que esteve em Ci…