Pular para o conteúdo principal

"A AGENDA SECRETA DO MEU NAMORADO" FOI O ÚLTIMO FILME COM BRITTANY MURPHY EXIBIDO NO BRASIL COM ELA VIVA


O último filme exibido no Brasil quando Brittany Murphy estava viva foi A Agenda Secreta do Meu Namorado (Little Black Book), em 14 de novembro de 2009, no programa Super Cine da Rede Globo de Televisão.

Neste filme, que é de 2004, Brittany fez o papel da produtora de TV Stacy Holt, que se vê às voltas de anotações sobre antigas relações amorosas de seu namorado. O filme é "ilustrado" por várias músicas gravadas por Carly Simon e Brittany aparece cantando algumas músicas, inclusive um número cantando "Nobody Does It Better".

A própria Carly aparece no final do filme dando um emprego para Brittany, depois que ela se demite do programa de TV, após um escândalo. E é delicioso ver Brittany saltitando alegremente, já que é essa a imagem que guardamos dela, da sorridente atriz e cantora de admirável beleza.

O filme conta com vários conhecidos no elenco. Kathy Bates, Rashida Jones, Roy Livingston, e mesmo o músico Gavin Rossdale (marido de Gwen Stefani, cantora admirada por Brittany) aparece como ator. Brittany afirmou que adorou ter trabalhado com ele.

Mas mesmo o então pouco conhecido Kevin Sussman aparece no filme como Ira, colega de Stacy na equipe de produção da emissora de TV. Mais tarde, ele passou a ser conhecido pelo personagem Stuart, o dono da loja de quadrinhos do seriado The Big Bang Theory, papel que ele desempenha até hoje.

A Agenda Secreta do Meu Namorado foi lançado dentro do período de grande sucesso de Brittany e aproveitou a projeção da atriz depois que, em 2003, realizou filmes como Recém-Casados (Just Married), com Ashton Kutcher, e Grande Menina, Pequena Mulher (Uptown Girls), com Dakota Fanning. Pouco depois, Brittany teria outro sucesso, o filme Sin City, no ano seguinte.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FILHA DE MÁRCIA CABRITA NÃO TEVE A SORTE DE BRITTANY MURPHY

Ontem, 10 de novembro de 2017, mesmo dia do aniversário de 40 anos de nascimento de Brittany Murphy, a atriz brasileira Márcia Cabrita, também famosa por papéis cômicos, faleceu, perdendo a batalha contra um câncer no ovário, doença diagnosticada em 2010 (a essas alturas Britt já era falecida).

Com o falecimento de Márcia, sua filha Manuela Parente, não teve a sorte de Brittany, pois a adolescente brasileira acabou perdendo a mãe, ameaça da qual a atriz estadunidense foi poupada. Sabe-se que, entre 1990 e 1992, Sharon Murphy sofreu câncer de mama, com alto risco de falecimento, mas sobreviveu.

A exemplo de Sharon, Márcia Cabrita estava solteira, embora seu divórcio com o psicanalista Ricardo Parente tinha sido bastante amigável. Márcia e Ricardo foram casados entre 2000 e 2004, e continuaram amigos desde então. Ricardo compareceu ao velório da ex-mulher, hoje de manhã, em Niterói, terra natal da atriz, famosa por produções como o seriado Sai de Baixo e sua última novela, Novo Mundo, …

TERMO "PATRICINHA" TEVE ORIGEM EM SOCIALITE BRASILEIRA

O termo "patricinha", que os fãs de Brittany Murphy conhecem pela denominação brasileira dada ao filme de título "seco", Clueless (traduzido do inglês, "sem pistas"), que virou As Patricinhas de Beverly Hills, teve sua origem revelada.

A expressão corresponde ao tipo de garota bem nascida, consumista, fanática por moda, de comportamento ingênuo e intelectualmente duvidoso. Algo como uma jovem dondoca, muitas vezes muito bonita, mas inacessível pelo seu tipo aristocrático.

A revelação se deu no livro Enquanto Houver Champanhe, Há Esperança, que o jornalista Joaquim Ferreira dos Santos, famoso por seus livros memorialistas, como 1958 - O Ano Que Não Devia Terminar (1997), dedica à biografia do colunista social Zózimo Barroso do Amaral.

O termo surgiu da socialite Patrícia Leal, trineta do conde Modesto Leal, que havia sido um dos homens mais ricos do período da República Velha (1889-1930). Patrícia se destacou nas colunas sociais da década de 1990 e, ex-na…

BRITTANY MURPHY NO JAPÃO, DIVULGANDO SIN CITY, EM 2005

Brittany Murphy estava uma doçura na ocasião da entrevista para o portal Cinema Cafe, no Japão, em outubro de 2005, durante sua estadia em Tóquio para divulgação e conferência do filme Sin City naquele país.
É o mesmo país onde, três anos depois, Britt gravaria o filme A Garota do Ramen (The Ramen Girl), seu único filme em que também co-produziu.