Pular para o conteúdo principal

ZIMBIO NÃO FAZ FÉ NO TELEFILME SOBRE BRITTANY MURPHY


O filme The Brittany Murphy Story está previsto a ser transmitido no canal Lifetime (da Sony) no próximo dia 06. No caso da TV brasileira, deve levar um tempo e talvez até competir com Something Wicked, derradeiro filme da saudosa atriz, nas exibições na TV paga.

Mas antes da data da exibição, o filme está dando o que falar. Houve ameaça de processo judicial feita pelo pai de Brittany, Angelo Bertolotti, indícios de que o enredo da dramatização sugere que a atriz faleceu envenenada, entre outras coisas.

Desta vez, o portal de celebridades Zimbio é que faz uma avaliação negativa do filme, através de texto da editora do portal Lani Conway, intitulado "What's Wrong with the Brittany Murphy Story?" (O que há de errado com a História de Brittany Murphy?).Nele, a jornalista faz o seguinte comentário:

"Lifetime lançou o primeiro trailer de seu mais recente filme biográfico The Brittany Murphy Story. Pelo que vimos, a produção de baixo orçamento, feitaa para a TV, não parece muito promissora. Na verdade, parece terrível. Para começar, Amanda Fuller (do seriado Last Man Standing) nada parece com a finada atriz (que morreu de parada cardíaca em 2009). Há também uma cover dolorosamente lenta de "What Is Love" (sucesso de Haddaway), que joga sobre vinhetas melodramáticas que parecem sugerir que a atriz foi assassinada. Mas a parte mais frustrante sobre o clipe é a abundância de perucas muito baratas (...)".

É possível que Amanda Fuller, a nosso ver, tenha dado conta do recado, como atriz que cumpre um roteiro e desempenha uma personagem descrita nele de forma exemplar. Amanda tem quase o mesmo tempo de carreira que a própria Brittany. Mas é difícil, para Amanda, fazer uma personagem peculiar como a Brittany foi, com seus trejeitos, seus gestos e seu rosto peculiar.

Brittany tinha um modo de gesticular, de balançar o rosto, sorrir, olhar. Até mesmo quando estava zangada e balançava a cabeça gritando contrariada era deliciosa de se ver. Ela tinha uma personalidade própria, peculiar, daí ter sido tão complicado seu falecimento que o grandioso talento dela e seu radiante senso de humor foram ofuscados por sua tragédia prematura.

E é muito difícil entender a tragédia de Britt, vendo que, de um lado, há o enigma da "morte natural" estranhamente atribuída a uma jovem e vigorosa atriz de 32 anos, muito jovem (quem viu os últimos filmes nota-se ainda o jeitão de garotona da Britt) e, de outro, um possível assassinato por envenenamento vindo de algum maníaco, mafioso, desafeto de Simon ou complô político etc.

Nessa neutralidade toda, o fim da promissora vida de Brittany Murphy - atriz talentosa e esforçada e também uma dedicada produtora e uma cantora fantástica - , uma showwoman que faz muita falta hoje, tornou-se um grande mistério. Essa tragédia complicou as coisas e também fez desse mistério uma complicação.

Se essa tragédia não tivesse acontecido, quem sabe Britt estaria ao lado de seus ex-colegas de As Patricinhas de Beverly Hills, participado de seriados como Two and a Half Men e The Exes ao lado de seus respectivos amigos Ashton Kutcher e Donald Faison e ter marcado sua doce presença no Comic Con deste ano, em San Diego?

Isso sem falar que, no lugar da irregular Lady Gaga, saberemos quem teria sido a cantora do tema de Sin City 2: A Dama Fatal (Sin City: A Dame to Kill For), recém-lançado: a nossa inesquecível grande menina Brittany, que teria feito mais uma vez a Shellie do filme de 2005.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FILHA DE MÁRCIA CABRITA NÃO TEVE A SORTE DE BRITTANY MURPHY

Ontem, 10 de novembro de 2017, mesmo dia do aniversário de 40 anos de nascimento de Brittany Murphy, a atriz brasileira Márcia Cabrita, também famosa por papéis cômicos, faleceu, perdendo a batalha contra um câncer no ovário, doença diagnosticada em 2010 (a essas alturas Britt já era falecida).

Com o falecimento de Márcia, sua filha Manuela Parente, não teve a sorte de Brittany, pois a adolescente brasileira acabou perdendo a mãe, ameaça da qual a atriz estadunidense foi poupada. Sabe-se que, entre 1990 e 1992, Sharon Murphy sofreu câncer de mama, com alto risco de falecimento, mas sobreviveu.

A exemplo de Sharon, Márcia Cabrita estava solteira, embora seu divórcio com o psicanalista Ricardo Parente tinha sido bastante amigável. Márcia e Ricardo foram casados entre 2000 e 2004, e continuaram amigos desde então. Ricardo compareceu ao velório da ex-mulher, hoje de manhã, em Niterói, terra natal da atriz, famosa por produções como o seriado Sai de Baixo e sua última novela, Novo Mundo, …

ATRIZ DE RIVERDALE É COMPARADA A BRITTANY MURPHY

O portal Teen.Com fez uma lista dos atores do seriado juvenil Riverdale - um seriado de drama com personagens criados pela Archie Comics - , produzido pelo canal CW, da Warner, e comparou uma das atrizes, Lili Reinhart, que faz a Betty Cooper (a loura da turma do Archie), com Brittany Murphy, por causa da semelhança.

Consideramos que as semelhanças sejam muito leves, mas insuficientes para tamanha comparação. Tentamos usar uma outra foto da Brittany Murphy, com uma expressão facial mais parecida, para tentar reforçar a comparação.


A semelhança melhora um pouco, talvez até sugerindo que Lili pudesse interpretar Brittany numa possível nova cinebiografia. Mesmo assim, as semelhanças continuam leves.


O que notamos, todavia, é que Lili Reinhart é muito mais parecida com outra Brittany, a Brittany Snow, não apenas pelos olhos claros, mas pelo formato facial bem mais próximo. Se bem que Brittany Snow também já foi comparada com Brittany Murphy. E o mesmo prenome chamou muito a atenção.

TERMO "PATRICINHA" TEVE ORIGEM EM SOCIALITE BRASILEIRA

O termo "patricinha", que os fãs de Brittany Murphy conhecem pela denominação brasileira dada ao filme de título "seco", Clueless (traduzido do inglês, "sem pistas"), que virou As Patricinhas de Beverly Hills, teve sua origem revelada.

A expressão corresponde ao tipo de garota bem nascida, consumista, fanática por moda, de comportamento ingênuo e intelectualmente duvidoso. Algo como uma jovem dondoca, muitas vezes muito bonita, mas inacessível pelo seu tipo aristocrático.

A revelação se deu no livro Enquanto Houver Champanhe, Há Esperança, que o jornalista Joaquim Ferreira dos Santos, famoso por seus livros memorialistas, como 1958 - O Ano Que Não Devia Terminar (1997), dedica à biografia do colunista social Zózimo Barroso do Amaral.

O termo surgiu da socialite Patrícia Leal, trineta do conde Modesto Leal, que havia sido um dos homens mais ricos do período da República Velha (1889-1930). Patrícia se destacou nas colunas sociais da década de 1990 e, ex-na…