Pular para o conteúdo principal

BRITTANY MURPHY FICOU MUITO PRESA NA SUA VIDA PARTICULAR

CASA ONDE BRITTANY MURPHY MOROU ATÉ MORRER EM 2009.

A dez meses de completar cinco anos de seu falecimento, pouco se fala dos verdadeiros problemas que provocaram a tragédia que vitimou a atriz Brittany Murphy, como o casamento infeliz com Simon Monjack que teria provocado o terrível incidente.

Já escrevemos antes que Brittany viu sua vida mudar totalmente depois que se casou com o roteirista inglês, sem perceber da personalidade misteriosa que ele era. Brittany, até então, parecia ter o mundo em suas mãos, mas de 2007 até o fim, isso se alterou por completo.

Brittany, embora seja mais conhecida como atriz de comédias românticas, tinha um potencial enorme para ir adiante. Até 2006, Brittany crescia como atriz, com elogiada participação no filme Sin City - cuja continuação mais recente teria a presença dela, não fosse sua tragédia, segundo garantiu o próprio Frank Miller - e um elogiado trabalho de cantora.

Brittany iniciava suas atividades de produtora, à frente da BAM Productions, e esboçava sua carreira musical gravando, na ocasião, canções alheias, como "Faster Kill Pussycat", com o DJ Paul Oakenfold, composto por ele e a vocalista do Sneaker Pimps, Kelly Ali, e as covers de "Somebody to Love" (do Queen, composta por Freddie Mercury) e "Boogie Wonderland" (do Earth Wind & Fire, composta por Allee Willis e John Lind).

Brittany Murphy tinha talento de sobra para ser atriz de primeira grandeza e cantora de trabalhos pop substanciais - ela aliás prometia também ser compositora - , mas com o casamento, de repente, ela viu sua vida cair de repente.

Ela conquistou um espaço nobre em Hollywood Hills, um dos bairros mais ricos de Los Angeles, comprando uma mansão de estilo arquitetônico dos anos 1920. Mas, ironicamente, Brittany estava perto e longe de Hollywood.

Afinal, a partir de 2007, ela passou a fazer trabalhos cinematográficos menores. Alguns mais esforçados, como a comédia romântica O Sabor de uma Paixão / A Garota do Ramen (The Ramen Girl), outros mais instigantes, como Correndo Contra o Tempo / Do Outro Lado do Corredor (Across The Hall). Mas nenhum considerado pelo mercado como grandes produções.

A impressão que se tem é que Brittany Murphy ficou muito presa na sua vida com Simon. Mesmo com sua atividade contínua, ela não deve ter ido muito além e seu vínculo com o marido não a propiciou maior liberdade para ousar mais na sua carreira. Brittany teve muita capacidade de ousar no seu talento, mas a rotina familiar deve tê-la limitado.

Para piorar, Simon traía Brittany e a aparente cumplicidade do casal na verdade não existiu. Por isso, acredita-se que a tragédia de Brittany se deu porque ela estava muito presa a essa rotina, e se desesperou ao perceber a traição do marido. Daí a relação proximidade-distância que ela teve com Hollywood.

Isso se observa porque, antes de Brittany se casar, a situação era outra e tudo parecia se realizar para ela. Daí imaginamos que, se Brittany Murphy tivesse segurado um pouco sua vida de solteira, talvez ela não tivesse morrido e sua carreira tivesse se seguido de forma muito brilhante, com excelentes surpresas vindas de seu maravilhoso talento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FILHA DE MÁRCIA CABRITA NÃO TEVE A SORTE DE BRITTANY MURPHY

Ontem, 10 de novembro de 2017, mesmo dia do aniversário de 40 anos de nascimento de Brittany Murphy, a atriz brasileira Márcia Cabrita, também famosa por papéis cômicos, faleceu, perdendo a batalha contra um câncer no ovário, doença diagnosticada em 2010 (a essas alturas Britt já era falecida).

Com o falecimento de Márcia, sua filha Manuela Parente, não teve a sorte de Brittany, pois a adolescente brasileira acabou perdendo a mãe, ameaça da qual a atriz estadunidense foi poupada. Sabe-se que, entre 1990 e 1992, Sharon Murphy sofreu câncer de mama, com alto risco de falecimento, mas sobreviveu.

A exemplo de Sharon, Márcia Cabrita estava solteira, embora seu divórcio com o psicanalista Ricardo Parente tinha sido bastante amigável. Márcia e Ricardo foram casados entre 2000 e 2004, e continuaram amigos desde então. Ricardo compareceu ao velório da ex-mulher, hoje de manhã, em Niterói, terra natal da atriz, famosa por produções como o seriado Sai de Baixo e sua última novela, Novo Mundo, …

ATRIZ DE RIVERDALE É COMPARADA A BRITTANY MURPHY

O portal Teen.Com fez uma lista dos atores do seriado juvenil Riverdale - um seriado de drama com personagens criados pela Archie Comics - , produzido pelo canal CW, da Warner, e comparou uma das atrizes, Lili Reinhart, que faz a Betty Cooper (a loura da turma do Archie), com Brittany Murphy, por causa da semelhança.

Consideramos que as semelhanças sejam muito leves, mas insuficientes para tamanha comparação. Tentamos usar uma outra foto da Brittany Murphy, com uma expressão facial mais parecida, para tentar reforçar a comparação.


A semelhança melhora um pouco, talvez até sugerindo que Lili pudesse interpretar Brittany numa possível nova cinebiografia. Mesmo assim, as semelhanças continuam leves.


O que notamos, todavia, é que Lili Reinhart é muito mais parecida com outra Brittany, a Brittany Snow, não apenas pelos olhos claros, mas pelo formato facial bem mais próximo. Se bem que Brittany Snow também já foi comparada com Brittany Murphy. E o mesmo prenome chamou muito a atenção.

TERMO "PATRICINHA" TEVE ORIGEM EM SOCIALITE BRASILEIRA

O termo "patricinha", que os fãs de Brittany Murphy conhecem pela denominação brasileira dada ao filme de título "seco", Clueless (traduzido do inglês, "sem pistas"), que virou As Patricinhas de Beverly Hills, teve sua origem revelada.

A expressão corresponde ao tipo de garota bem nascida, consumista, fanática por moda, de comportamento ingênuo e intelectualmente duvidoso. Algo como uma jovem dondoca, muitas vezes muito bonita, mas inacessível pelo seu tipo aristocrático.

A revelação se deu no livro Enquanto Houver Champanhe, Há Esperança, que o jornalista Joaquim Ferreira dos Santos, famoso por seus livros memorialistas, como 1958 - O Ano Que Não Devia Terminar (1997), dedica à biografia do colunista social Zózimo Barroso do Amaral.

O termo surgiu da socialite Patrícia Leal, trineta do conde Modesto Leal, que havia sido um dos homens mais ricos do período da República Velha (1889-1930). Patrícia se destacou nas colunas sociais da década de 1990 e, ex-na…