Pular para o conteúdo principal

FALECEU ROGER MOORE, ASTRO DE '007 O ESPIÃO QUE ME AMAVA'


Morreu de câncer, aos 89 anos (90 incompletos), o ator inglês Roger Moore, conhecido por ser o terceiro intérprete do agente secreto 007, e um dos mais carismáticos. Ele também foi embaixador da UNICEF e tinha o título de "sir" concedido pela monarquia britânica.

Ele interpretou o personagem em vários filmes, entre os quais 007 - O Espião Que Me Amava (The Spy Who Loved Me), um dos longas de maior sucesso do personagem criado pelo escritor Ian Fleming, e que, curiosamente, aparece aqui por ter uma relação indireta com Brittany Murphy.

Brittany - que na época do lançamento do filme ainda estava na barriga da mãe, Sharon Murphy - havia cantado a canção-tema do filme, "Nobody Does it Better", de Carole Bayer Sager e Marvin Hamlisch, interpretada originalmente por Carly Simon. Foi no filme A Agenda Secreta do Meu Namorado (Little Black Book), de 2004.

Sabe-se que a comédia na qual Britt interpreta a personagem Stacy Holt, uma produtora de televisão, é "ambientada" pelo repertório gravado por Carly Simon, que aparece no final do filme oferecendo um emprego para a produtora, demitida depois da péssima repercussão de divulgar no programa de TV na qual produzia revelações de antigas namoradas do namorado dela.

Numa cena, em que a personagem Stacy aparece deitada (foto abaixo), Brittany mostra seu talento de cantora ao cantar, sem acompanhamento instrumental, "Nobody Does it Better". A cena aparece mais ou menos no meio do filme, disponível em DVD e eventualmente vendido nas Lojas Americanas (que, para quem não sabe, é do grupo da Wal-Mart, empresa muito conhecida no país de Britt).


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FILHA DE MÁRCIA CABRITA NÃO TEVE A SORTE DE BRITTANY MURPHY

Ontem, 10 de novembro de 2017, mesmo dia do aniversário de 40 anos de nascimento de Brittany Murphy, a atriz brasileira Márcia Cabrita, também famosa por papéis cômicos, faleceu, perdendo a batalha contra um câncer no ovário, doença diagnosticada em 2010 (a essas alturas Britt já era falecida).

Com o falecimento de Márcia, sua filha Manuela Parente, não teve a sorte de Brittany, pois a adolescente brasileira acabou perdendo a mãe, ameaça da qual a atriz estadunidense foi poupada. Sabe-se que, entre 1990 e 1992, Sharon Murphy sofreu câncer de mama, com alto risco de falecimento, mas sobreviveu.

A exemplo de Sharon, Márcia Cabrita estava solteira, embora seu divórcio com o psicanalista Ricardo Parente tinha sido bastante amigável. Márcia e Ricardo foram casados entre 2000 e 2004, e continuaram amigos desde então. Ricardo compareceu ao velório da ex-mulher, hoje de manhã, em Niterói, terra natal da atriz, famosa por produções como o seriado Sai de Baixo e sua última novela, Novo Mundo, …

TERMO "PATRICINHA" TEVE ORIGEM EM SOCIALITE BRASILEIRA

O termo "patricinha", que os fãs de Brittany Murphy conhecem pela denominação brasileira dada ao filme de título "seco", Clueless (traduzido do inglês, "sem pistas"), que virou As Patricinhas de Beverly Hills, teve sua origem revelada.

A expressão corresponde ao tipo de garota bem nascida, consumista, fanática por moda, de comportamento ingênuo e intelectualmente duvidoso. Algo como uma jovem dondoca, muitas vezes muito bonita, mas inacessível pelo seu tipo aristocrático.

A revelação se deu no livro Enquanto Houver Champanhe, Há Esperança, que o jornalista Joaquim Ferreira dos Santos, famoso por seus livros memorialistas, como 1958 - O Ano Que Não Devia Terminar (1997), dedica à biografia do colunista social Zózimo Barroso do Amaral.

O termo surgiu da socialite Patrícia Leal, trineta do conde Modesto Leal, que havia sido um dos homens mais ricos do período da República Velha (1889-1930). Patrícia se destacou nas colunas sociais da década de 1990 e, ex-na…

BRITTANY MURPHY NO JAPÃO, DIVULGANDO SIN CITY, EM 2005

Brittany Murphy estava uma doçura na ocasião da entrevista para o portal Cinema Cafe, no Japão, em outubro de 2005, durante sua estadia em Tóquio para divulgação e conferência do filme Sin City naquele país.
É o mesmo país onde, três anos depois, Britt gravaria o filme A Garota do Ramen (The Ramen Girl), seu único filme em que também co-produziu.