Pular para o conteúdo principal

COLEGA DE BRITTANY MURPHY FAZ PAPEL DE VILÃ NO FILME 'DESCENDENTES'


O canal Disney Channel, dando sequência à comédia musical de fantasia, Descendentes (Descendants), de 2015, dirigido por Kenny Ortega, protagonizado por Dove Cameron e tendo no elenco astros teen como Sofia Carson, Booboo Stewart, e Cameron Boyce, está lançando a continuação, Descendentes 2 (Descendants 2).

Este segundo filme não contará com a atriz que fez a Rainha Má (Evil Queen) no primeiro filme, ninguém menos que Kathy Najimy, atriz que foi colega de Brittany Murphy no elenco de dublagem do seriado de animação O Rei do Pedaço (King of The Hill), que contracenou com Sofia Carson, esta no papel de Evie, filha da monarca vilã.

Mas no primeiro filme os fãs podem conferir o talento de Kathy, que também atuou em outro filme do diretor Kenny Ortega - também coreógrafo de vídeos de Michael Jackson e Madonna e de longas dos anos 80 como Curtindo a Vida Adoidado, A Garota de Rosa-Schocking e Dirty Dancing - , Abracadabra (Hocus Focus), que teve outra colega de Britt, Thora Birch, de Flashes de uma Psicose (Deadline).

Kenny também dirigiu vários filmes da Disney, como High School Musical e Hannah Montana, além de ter feito This is It, filme sobre os ensaios que Michael Jackson fez para uma turnê que o cantor não viveu para iniciar.

Abaixo, vemos Kathy Najimy em uma foto de 2005 ao lado de Brittany Murphy. As duas trabalharam juntas em O Rei do Pedaço entre 1997 e 2009.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FILHA DE MÁRCIA CABRITA NÃO TEVE A SORTE DE BRITTANY MURPHY

Ontem, 10 de novembro de 2017, mesmo dia do aniversário de 40 anos de nascimento de Brittany Murphy, a atriz brasileira Márcia Cabrita, também famosa por papéis cômicos, faleceu, perdendo a batalha contra um câncer no ovário, doença diagnosticada em 2010 (a essas alturas Britt já era falecida).

Com o falecimento de Márcia, sua filha Manuela Parente, não teve a sorte de Brittany, pois a adolescente brasileira acabou perdendo a mãe, ameaça da qual a atriz estadunidense foi poupada. Sabe-se que, entre 1990 e 1992, Sharon Murphy sofreu câncer de mama, com alto risco de falecimento, mas sobreviveu.

A exemplo de Sharon, Márcia Cabrita estava solteira, embora seu divórcio com o psicanalista Ricardo Parente tinha sido bastante amigável. Márcia e Ricardo foram casados entre 2000 e 2004, e continuaram amigos desde então. Ricardo compareceu ao velório da ex-mulher, hoje de manhã, em Niterói, terra natal da atriz, famosa por produções como o seriado Sai de Baixo e sua última novela, Novo Mundo, …

ATRIZ DE RIVERDALE É COMPARADA A BRITTANY MURPHY

O portal Teen.Com fez uma lista dos atores do seriado juvenil Riverdale - um seriado de drama com personagens criados pela Archie Comics - , produzido pelo canal CW, da Warner, e comparou uma das atrizes, Lili Reinhart, que faz a Betty Cooper (a loura da turma do Archie), com Brittany Murphy, por causa da semelhança.

Consideramos que as semelhanças sejam muito leves, mas insuficientes para tamanha comparação. Tentamos usar uma outra foto da Brittany Murphy, com uma expressão facial mais parecida, para tentar reforçar a comparação.


A semelhança melhora um pouco, talvez até sugerindo que Lili pudesse interpretar Brittany numa possível nova cinebiografia. Mesmo assim, as semelhanças continuam leves.


O que notamos, todavia, é que Lili Reinhart é muito mais parecida com outra Brittany, a Brittany Snow, não apenas pelos olhos claros, mas pelo formato facial bem mais próximo. Se bem que Brittany Snow também já foi comparada com Brittany Murphy. E o mesmo prenome chamou muito a atenção.

TERMO "PATRICINHA" TEVE ORIGEM EM SOCIALITE BRASILEIRA

O termo "patricinha", que os fãs de Brittany Murphy conhecem pela denominação brasileira dada ao filme de título "seco", Clueless (traduzido do inglês, "sem pistas"), que virou As Patricinhas de Beverly Hills, teve sua origem revelada.

A expressão corresponde ao tipo de garota bem nascida, consumista, fanática por moda, de comportamento ingênuo e intelectualmente duvidoso. Algo como uma jovem dondoca, muitas vezes muito bonita, mas inacessível pelo seu tipo aristocrático.

A revelação se deu no livro Enquanto Houver Champanhe, Há Esperança, que o jornalista Joaquim Ferreira dos Santos, famoso por seus livros memorialistas, como 1958 - O Ano Que Não Devia Terminar (1997), dedica à biografia do colunista social Zózimo Barroso do Amaral.

O termo surgiu da socialite Patrícia Leal, trineta do conde Modesto Leal, que havia sido um dos homens mais ricos do período da República Velha (1889-1930). Patrícia se destacou nas colunas sociais da década de 1990 e, ex-na…