Pular para o conteúdo principal

SUCESSO DE BRITTANY MURPHY COMO CANTORA COMPLETA 10 ANOS

Hoje comemoram-se dez anos de lançamento da música "Faster Kill Pussycat", primeiro sucesso de Brittany Murphy como cantora, fazendo a voz na composição do DJ Paul Oakenfold em parceria com Kelli Ali (ex-vocalista do grupo de trip hop Sneaker Pimps).

A música fez parte do segundo álbum de estúdio de Oakenfold, A Lively Mind, e se tornou um sucesso nas pistas de dança da época. Foi primeiro lançada em compacto, em 21 de março de 2006, e cerca de três meses depois, em 06 de junho, a música estourava nas paradas dos EUA.

O disco conta com participações, em outras faixas, do pioneiro grupo de hip hop Grandmaster Flash e do cantor e produtor Pharrell Williams (cujo sucesso recente, "Happy", faz o tipo de canção que Britt com muita certeza amaria ouvir). Oakenfold é conhecido também por mixar sucessos de Happy Mondays e U2, entre outros.

Brittany surpreende nesta faixa, porque poucos conseguem imaginar que ela, que se destacou mais como atriz, pudesse ter uma belíssima voz de cantora. E surpreende mais ainda que, numa época em que as vozes eram robotizadas, Britt - que havia tido um conjunto musical com o ator Eric Balfour, o Blessed Souls - resolveu mostrar naturalmente seu talento vocal que, naquele 2006, ainda se expressou em duas covers presentes na trilha sonora de Happy Feet - O Pinguim (Happy Feet).

Mostramos aqui seis fotos de Brittany com Paul Oakenfold no local de gravação do vídeo, na Hill Street em Los Angeles. Depois, algumas imagens capturadas de cenas do filme. Abaixo, o vídeo da música.













Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FILHA DE MÁRCIA CABRITA NÃO TEVE A SORTE DE BRITTANY MURPHY

Ontem, 10 de novembro de 2017, mesmo dia do aniversário de 40 anos de nascimento de Brittany Murphy, a atriz brasileira Márcia Cabrita, também famosa por papéis cômicos, faleceu, perdendo a batalha contra um câncer no ovário, doença diagnosticada em 2010 (a essas alturas Britt já era falecida).

Com o falecimento de Márcia, sua filha Manuela Parente, não teve a sorte de Brittany, pois a adolescente brasileira acabou perdendo a mãe, ameaça da qual a atriz estadunidense foi poupada. Sabe-se que, entre 1990 e 1992, Sharon Murphy sofreu câncer de mama, com alto risco de falecimento, mas sobreviveu.

A exemplo de Sharon, Márcia Cabrita estava solteira, embora seu divórcio com o psicanalista Ricardo Parente tinha sido bastante amigável. Márcia e Ricardo foram casados entre 2000 e 2004, e continuaram amigos desde então. Ricardo compareceu ao velório da ex-mulher, hoje de manhã, em Niterói, terra natal da atriz, famosa por produções como o seriado Sai de Baixo e sua última novela, Novo Mundo, …

ATRIZ DE RIVERDALE É COMPARADA A BRITTANY MURPHY

O portal Teen.Com fez uma lista dos atores do seriado juvenil Riverdale - um seriado de drama com personagens criados pela Archie Comics - , produzido pelo canal CW, da Warner, e comparou uma das atrizes, Lili Reinhart, que faz a Betty Cooper (a loura da turma do Archie), com Brittany Murphy, por causa da semelhança.

Consideramos que as semelhanças sejam muito leves, mas insuficientes para tamanha comparação. Tentamos usar uma outra foto da Brittany Murphy, com uma expressão facial mais parecida, para tentar reforçar a comparação.


A semelhança melhora um pouco, talvez até sugerindo que Lili pudesse interpretar Brittany numa possível nova cinebiografia. Mesmo assim, as semelhanças continuam leves.


O que notamos, todavia, é que Lili Reinhart é muito mais parecida com outra Brittany, a Brittany Snow, não apenas pelos olhos claros, mas pelo formato facial bem mais próximo. Se bem que Brittany Snow também já foi comparada com Brittany Murphy. E o mesmo prenome chamou muito a atenção.

TERMO "PATRICINHA" TEVE ORIGEM EM SOCIALITE BRASILEIRA

O termo "patricinha", que os fãs de Brittany Murphy conhecem pela denominação brasileira dada ao filme de título "seco", Clueless (traduzido do inglês, "sem pistas"), que virou As Patricinhas de Beverly Hills, teve sua origem revelada.

A expressão corresponde ao tipo de garota bem nascida, consumista, fanática por moda, de comportamento ingênuo e intelectualmente duvidoso. Algo como uma jovem dondoca, muitas vezes muito bonita, mas inacessível pelo seu tipo aristocrático.

A revelação se deu no livro Enquanto Houver Champanhe, Há Esperança, que o jornalista Joaquim Ferreira dos Santos, famoso por seus livros memorialistas, como 1958 - O Ano Que Não Devia Terminar (1997), dedica à biografia do colunista social Zózimo Barroso do Amaral.

O termo surgiu da socialite Patrícia Leal, trineta do conde Modesto Leal, que havia sido um dos homens mais ricos do período da República Velha (1889-1930). Patrícia se destacou nas colunas sociais da década de 1990 e, ex-na…