Pular para o conteúdo principal

COLEGA DE BRITTANY MURPHY EM DOIS FILMES, KIRSTEN DUNST PARTICIPA DE CANNES 2016

Kirsten Dunst se destacou como participante do júri do Festival de Cinema de Cannes, na França, na edição deste ano. Ela integrou a equipe do cineasta australiano George Miller, do filme Mad Max - Estrada da Fúria (Mad Max - Fury Road), que contou também com Donald Sutherland (cujo filho, Kiefer, atuou num filme com Britt, Freeway - Sem Saída (Freeway)), de 1996.

Além do seu charme e de sua beleza, modesta mas muitíssimo atraente, tanto que Kisten dificilmente fica sem namorado, pois, embora esteja oficialmente solteira, já indica rumores de que engatou um novo namoro, a atriz deu uma declaração bastante consistente sobre a questão do cinema comercial e dos filmes de qualidade exibidos em festivais como Cannes.

"Se não fosse por festivais como Cannes, talvez nós não estivéssemos aqui e muitos dos filmes não teriam sido vistos. Estaríamos todos filmando apenas blockbusters", afirmou Kirsten, mostrando uma questão vista com indiferença por muitos, sobretudo no Brasil, em que as coisas são tão niveladas por baixo que até o filme comercial "menos ruim" já é tido como "alternativo".

Mostramos aqui uma foto de Kirsten Dunst em Cannes 2016. Depois, pegamos imagens de dois filmes que Kirsten participou com Brittany, Lindas de Morrer (Drop Dead Gorgeous) e Matemática do Diabo (Devil's Aritmethic), ambos de 1999.

Em seguida, mostramos a própria Brittany Murphy, que participou da edição de 2005 do Festival de Cinema de Cannes, não com Kirsten Dunst, mas com outros colegas, divulgando Sin City - Cidade do Pecado (Sin City).





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FILHA DE MÁRCIA CABRITA NÃO TEVE A SORTE DE BRITTANY MURPHY

Ontem, 10 de novembro de 2017, mesmo dia do aniversário de 40 anos de nascimento de Brittany Murphy, a atriz brasileira Márcia Cabrita, também famosa por papéis cômicos, faleceu, perdendo a batalha contra um câncer no ovário, doença diagnosticada em 2010 (a essas alturas Britt já era falecida).

Com o falecimento de Márcia, sua filha Manuela Parente, não teve a sorte de Brittany, pois a adolescente brasileira acabou perdendo a mãe, ameaça da qual a atriz estadunidense foi poupada. Sabe-se que, entre 1990 e 1992, Sharon Murphy sofreu câncer de mama, com alto risco de falecimento, mas sobreviveu.

A exemplo de Sharon, Márcia Cabrita estava solteira, embora seu divórcio com o psicanalista Ricardo Parente tinha sido bastante amigável. Márcia e Ricardo foram casados entre 2000 e 2004, e continuaram amigos desde então. Ricardo compareceu ao velório da ex-mulher, hoje de manhã, em Niterói, terra natal da atriz, famosa por produções como o seriado Sai de Baixo e sua última novela, Novo Mundo, …

TERMO "PATRICINHA" TEVE ORIGEM EM SOCIALITE BRASILEIRA

O termo "patricinha", que os fãs de Brittany Murphy conhecem pela denominação brasileira dada ao filme de título "seco", Clueless (traduzido do inglês, "sem pistas"), que virou As Patricinhas de Beverly Hills, teve sua origem revelada.

A expressão corresponde ao tipo de garota bem nascida, consumista, fanática por moda, de comportamento ingênuo e intelectualmente duvidoso. Algo como uma jovem dondoca, muitas vezes muito bonita, mas inacessível pelo seu tipo aristocrático.

A revelação se deu no livro Enquanto Houver Champanhe, Há Esperança, que o jornalista Joaquim Ferreira dos Santos, famoso por seus livros memorialistas, como 1958 - O Ano Que Não Devia Terminar (1997), dedica à biografia do colunista social Zózimo Barroso do Amaral.

O termo surgiu da socialite Patrícia Leal, trineta do conde Modesto Leal, que havia sido um dos homens mais ricos do período da República Velha (1889-1930). Patrícia se destacou nas colunas sociais da década de 1990 e, ex-na…

BRITTANY MURPHY NO JAPÃO, DIVULGANDO SIN CITY, EM 2005

Brittany Murphy estava uma doçura na ocasião da entrevista para o portal Cinema Cafe, no Japão, em outubro de 2005, durante sua estadia em Tóquio para divulgação e conferência do filme Sin City naquele país.
É o mesmo país onde, três anos depois, Britt gravaria o filme A Garota do Ramen (The Ramen Girl), seu único filme em que também co-produziu.