Pular para o conteúdo principal

O QUE BRITTANY MURPHY PROVAVELMENTE OUVIRIA HOJE?

BRITTANY TERIA ADORADO A MÚSICA "HAPPY", DO CANTOR PHARRELL WILLIAMS.

O que Brittany Murphy teria ouvido, depois de 2009? O que ela estaria escutando hoje? Observando o histórico do gosto musical da atriz, nota-se que ela passou durante um tempo ouvindo hip hop como forma de catarse pessoal, mas seu gosto também envolvia rock e pop dos anos 1960, disco music, música eletrônica e pop contemporâneo.

Ela declarou ter gostado dos Beatles - havia adquirido o primeiro volume da série Anthology - e de ter gostado de Velvet Underground, Zombies (ela citou a música "Time of The Season"), Astrud Gilberto e, da new wave setentista, Ramones e Blondie (cuja vocalista, Debbie Harry, esteve no filme Spun, de 2002, que teve Britt no elenco).

Brittany também ouvia músicas do Queen e do Earth Wind & Fire, entre outros nomes similares do seu tempo. Daí que a atriz optou por interpretar "Somebody to Love", do grupo inglês, e "Boogie Wonderland", da banda norte-americana de funk autêntico, para a trilha sonora de Happy Feet  - O Pinguim (Happy Feet), de 2006.

Brittany Murphy era uma moça de personalidade moderna e não há muita dificuldade em imaginar o que ela estaria ouvindo hoje em dia: Bruno Mars, Adele, Daft Punk, alguma coisa de Taylor Swift, Lorde e Pharrell Williams, sobretudo a música "Happy", que faz grande sucesso no mundo inteiro.

Brittany se apaixonaria pelo ritmo e melodias de "Happy", que lembra o soul pop dos anos 1960, e certamente teria comentado sobre essa música em alguma entrevista. A gente até pode imaginar um provável comentário que Britt daria para uma revista:

"I love this song. Is invigorating. Very exciting. It sounds like the pop from the 60s. It's a song that makes me smile and feel the sunlight shining around me". (Eu amo esta canção. É revigorante. Muito para cima. Ela soa como o pop dos anos 60. É uma canção que me faz sorrir e sentir a luz do sol brilhando em torno de mim).

Comentários

  1. Ela também iria amar de paixão o "Get Lucky" do Daft Punk (que eu chamo de "música do Jaspion" por causa dos capacetes daquela dupla francesa de música eletrônica).

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

FILHA DE MÁRCIA CABRITA NÃO TEVE A SORTE DE BRITTANY MURPHY

Ontem, 10 de novembro de 2017, mesmo dia do aniversário de 40 anos de nascimento de Brittany Murphy, a atriz brasileira Márcia Cabrita, também famosa por papéis cômicos, faleceu, perdendo a batalha contra um câncer no ovário, doença diagnosticada em 2010 (a essas alturas Britt já era falecida).

Com o falecimento de Márcia, sua filha Manuela Parente, não teve a sorte de Brittany, pois a adolescente brasileira acabou perdendo a mãe, ameaça da qual a atriz estadunidense foi poupada. Sabe-se que, entre 1990 e 1992, Sharon Murphy sofreu câncer de mama, com alto risco de falecimento, mas sobreviveu.

A exemplo de Sharon, Márcia Cabrita estava solteira, embora seu divórcio com o psicanalista Ricardo Parente tinha sido bastante amigável. Márcia e Ricardo foram casados entre 2000 e 2004, e continuaram amigos desde então. Ricardo compareceu ao velório da ex-mulher, hoje de manhã, em Niterói, terra natal da atriz, famosa por produções como o seriado Sai de Baixo e sua última novela, Novo Mundo, …

TERMO "PATRICINHA" TEVE ORIGEM EM SOCIALITE BRASILEIRA

O termo "patricinha", que os fãs de Brittany Murphy conhecem pela denominação brasileira dada ao filme de título "seco", Clueless (traduzido do inglês, "sem pistas"), que virou As Patricinhas de Beverly Hills, teve sua origem revelada.

A expressão corresponde ao tipo de garota bem nascida, consumista, fanática por moda, de comportamento ingênuo e intelectualmente duvidoso. Algo como uma jovem dondoca, muitas vezes muito bonita, mas inacessível pelo seu tipo aristocrático.

A revelação se deu no livro Enquanto Houver Champanhe, Há Esperança, que o jornalista Joaquim Ferreira dos Santos, famoso por seus livros memorialistas, como 1958 - O Ano Que Não Devia Terminar (1997), dedica à biografia do colunista social Zózimo Barroso do Amaral.

O termo surgiu da socialite Patrícia Leal, trineta do conde Modesto Leal, que havia sido um dos homens mais ricos do período da República Velha (1889-1930). Patrícia se destacou nas colunas sociais da década de 1990 e, ex-na…

BRITTANY MURPHY NO JAPÃO, DIVULGANDO SIN CITY, EM 2005

Brittany Murphy estava uma doçura na ocasião da entrevista para o portal Cinema Cafe, no Japão, em outubro de 2005, durante sua estadia em Tóquio para divulgação e conferência do filme Sin City naquele país.
É o mesmo país onde, três anos depois, Britt gravaria o filme A Garota do Ramen (The Ramen Girl), seu único filme em que também co-produziu.